69.ª Peregrinação Nacional a Fátima da Família Salesiana

No dia 15 de maio realizou-se a 69.ª Peregrinação Nacional da Família Salesiana a Fátima de forma presencial. Uma ousadia que o amor a Nossa Senhora e o desejo de Lhe manifestar o nosso sentido agradecimento nos levou a cometer.

Discernida com pareceres assentes em argumentos que eram envolvidos por uma enorme dose de confiança, a peregrinação começou a ser preparada a partir de Fátima, das respostas que os responsáveis do Santuário iam dando aos nossos pedidos e perguntas. Eram eles que determinavam também a manifestação da vontade de Deus na sua realização. E assim aconteceu. A limitação da participação dos membros da Família Salesiana cingiu-se apenas ao número que poderia participar no Salão do Bom Pastor do Auditório Paulo VI. Mesmo assim, juntou-se um grupo razoável de membros da FS que ali passou um pouco mais de uma hora.

Falou o Provincial dos Salesianos, Pe. José Aníbal Mendonça, e a Provincial da Filhas de Maria Auxiliadora, Irmã Rosa Cândida Gomes, ouviram-se testemunhos gravados de jovens que procuram viver em salesiano; apresentou-se, em vídeo, a pessoa do Reitor-Mor e ouviram-se as palavras, ao vivo, do Pe. Gildásio Santos, de momento, em Visita Extraordinária às Casas da Província em nome do mesmo Reitor-Mor.

Foram momentos muito bonitos de enriquecimento salesiano.

A Eucaristia da Peregrinação celebrada na Basílica da Santíssima Trindade às 12h30 foi, sem dúvida, o momento mais solene. Como aí não havia limitação de presenças, foi agradável de ver um nutrido número de membros da FS a participar e a viver a sua fé.

Finalmente, o último número desta 69.ª Peregrinação da Família Salesiana a Fátima, não deixou de ter o brilho da simplicidade e da devoção a Nossa Senhora: o habitual Terço na Capelinha das Aparições, transmitido às 18h30. Coube à Família Salesiana a alegria de o poder dirigir e fê-lo com competência e muita devoção.

Leia também  Fátima: Apresentado programa da Família Salesiana para o novo ano pastoral

A ousadia deu bons frutos. E, se as circunstâncias da pandemia coartaram alguma coisa do que mais se pudesse fazer, não impediram, de nenhuma maneira, o nosso amor a Nossa Senhora e a manifestação da gratidão que albergamos dentro de nós e que, com simplicidade e alguma beleza possível, Lhe pudemos manifestar.

Artigos Relacionados