Filipinas: Don Bosco Legazpi resiste aos tufões com a ajuda de Benfeitores

O que o tufão Molave ​​não destruiu, o supertufão Goni abateu. Mas os dois fenómenos naturais, que ocorreram em outubro, não foram os únicos a devastar as Filipinas. Em novembro passou também o tufão Vamco, infligindo um derradeiro golpe de misericórdia. Felizmente a passagem dos três tufões não provocou danos nas estruturas do Centro Técnico Agro-Mecânico Dom Bosco, escola agrícola salesiana de Legazpi que fica na região de Bicol, mas destruiu as suas colheitas. Podia ser pior; há menos de um ano, em dezembro de 2019, o tufão Kammuri causou danos nas infraestruturas desta escola agrícola.

Apesar desta conjuntura, em maio de 2020, o Centro Dom Bosco apoiou as famílias mais afetadas pelo confinamento decretado em sequência da pandemia da Covid-19, distribuindo cabazes de alimentos e primeiros socorros a 743 famílias, num total de 2.720 pessoas, em 14 comunidades.

Após a passagem dos três tufões, Don Bosco Legazpi deu novamente resposta às necessidades de 730 famílias em 20 comunidades, distribuindo alimentos e, em alguns casos, material para reabilitarem as suas casas.

Em uma das comunidades de Guinobatan, onde ocorreu uma inundação de lama, os Salesianos distribuíram materiais de limpeza (baldes, bacias, sabonete, sabão detergente, entre outros artigos). Na ilha de San Miguel, a ajuda de emergência salesiana possibilitou ainda a distribuição de pequenas embarcações a algumas das famílias que vivem apenas de pesca e cujos barcos foram destruídos pela passagem dos tufões.

Há poucos meses o Centro Salesiano tinha acabado de concluir um programa de formação em produção agrícola para os Agta, um grupo de indígenas de Bicol. Os Salesianos, juntamente com os seus jovens e colaboradores leigos, também lhes fizeram chegar a ajuda de emergência, entregando sacos de alimentos para 125 famílias.

Leia também  Portugal acolhe encontro de Direções e Federações de Antigos Alunos Salesianos da Europa e do Médio Oriente

“Estabelecemos um vínculo forte com estas comunidades e também aprendemos a organizar uma resposta eficaz. A razão é simples: os desastres naturais ocorrem anualmente na região de Bicol e, por isso, trabalhamos com as comunidades quase todos os anos. Os tufões são o fenómeno mais frequente. Às vezes, são as tempestades que devastam as áreas costeiras, como a Tiwi, há dois anos. Mas o maior esforço de ajuda humanitária da história recente deveu-se à erupção do vulcão Mayon, há cerca de quatro anos”, afirmam os Salesianos de Don Bosco Legazpi.

As atividades de solidariedade salesiana são financiadas por Benfeitores (filipinos e estrangeiros). O valor da ajuda depende muito das contribuições que os próprios salesianos recebem. Isto foi verdade no passado, é verdade no presente e permanecerá verdade no futuro. Don Bosco Legazpi espera poder continuar a contar com a confiança destes Benfeitores.

Artigos Relacionados