Índia, Don Bosco Solidarity COVID 19 Relief: apoio a mais de um milhão de vidas em risco

No último domingo a Índia encerrou a terceira fase do lockdown e as pessoas estão cansadas. A pior situação é sempre a dos pobres e migrantes. Continua, portanto, a ser um problema de sobrevivência. A única preocupação imediata dessas pessoas é conseguir voltar para as suas casas para ter, ao menos, a sensação de segurança emocional. Lá, esperam, não serão tratados como animais apenas porque vêm de um lugar diferente.

De 25 de março a 14 de abril de 2020, quando o país entrou no caos da primeira fase do lockdown sem nenhum aviso prévio, as organizações não governamentais, como a “Don Bosco Network”, partiram para ajudar os pobres e migrantes internos, que se encontravam bloqueados por todo o país.

O jornal ‘India Today’ publicou a resposta dada no dia 6 de abril pelo Governo Central à Suprema Corte em relação às pessoas que foram alimentadas em todo o país durante a primeira fase do lockdown. No total, foram alimentadas mais de 84 milhões de pessoas (54 por órgãos estatais e 30 por ONGs). Por meio da sua vasta e articulada rede, formada por 354 ONGs salesianas espalhadas pelo país, a “Don Bosco Network” já tinha distribuído, até metade do mês de maio, mais de um milhão de refeições prontas (1.082.446 indivíduos) e distribuído 145.822 cabazes de alimentos.

Os membros e voluntários das ONGs salesianas também produziram 410.375 máscaras para distribuir pelas pessoas que não têm condições para comprá-las. Este vasto movimento de pessoas inspiradas por Dom Bosco, graças à grande experiência adquirida em campo ao longo de décadas, sabia desde o início quais seriam as pessoas mais afetadas podendo, assim, agir de maneira rápida e eficaz.

Leia também  Boletim Salesiano: Entrevista ao antigo aluno Carlos Oliveira

A assistência prestada sob a coordenação da “Don Bosco Solidariety COVID 19” foi atrás de todos os segmentos mais vulneráveis: encontrou-se com a comunidade transgénero, procurou os taxistas e condutores de riquexó, identificou os migrantes nas suas casas improvisadas, procurou pelos refugiados, pelos moradores em favelas e pessoas em situação de rua para depois prestar auxílio às pessoas sozinhas e com medo, idosos vulneráveis, crianças…, ajudando-os a todos de acordo com suas necessidades específicas.

Além de alimentos, a “Dom Bosco Solidariety COVID 19” forneceu, sempre que possível, abrigos, transporte, assistência médica, serviços de saúde e atendimento psicológico. A rede apoiou infraestruturas governamentais com a doação de recursos e forneceu máscaras de proteção aos funcionários da área de saúde, da polícia e do governo em geral. As ONGs salesianas colaboraram com muitas administrações locais, coordenando o trabalho de assistência para potencializar ao máximo as atuações.

Todavia, a enorme quantidade de ajuda oferecida pelas ONGs nos últimos meses não pode ser mantida sem recursos. Enquanto a incerteza económica obscurece o horizonte do mundo e os empregos desaparecem, também ONGs como ‘Don Bosco Network’ precisam encontrar maneiras diferentes para ajudar as pessoas já vulneráveis ​​a enfrentar esses desafios.

Artigos Relacionados