fbpx

O que dizem os jovens de: Santidade

Salesianos > Dossiers > O que dizem os jovens de... > O que dizem os jovens de: Santidade

Novembro, mês da Solenidade de Todos os Santos. É-nos lançado um desafio que teima em parecer inatingível e que, neste ano em que somos chamados a fazer maravilhas, se torna mais especial.

Eu, ser santo?! Temos um sem fim de preconceitos com a santidade:

“A santidade não é para mim. Tento, mas estou sempre a pecar! Os santos não erram.”
“Ser santo de altar? Ninguém gosta de santinhos.”
“Só é santo quem faz milagres, eu não sou nenhum super-herói, não tenho essas capacidades.”
“Ser santo no meio dos amigos? No trabalho? Nesta sociedade? Missão impossível.”

Andamos à toa no que toca à santidade. Acomodamo-nos aos preconceitos quando a resposta está ao nosso lado, por isso importa, em primeiro lugar, desfazê-los.

Não são as nossas capacidades (sobre)humanas que nos fazem santos. Nunca seríamos santos só por nós. A santidade é um dom de Deus (Ef. 5, 25-26) para todos sem exclusão (Lumen Gentium, 40). Sim, para ti também.

A santidade não se faz de feitos extraordinários, mas de viver cada momento deixando marcas do Seu amor no outro. Faz-se enfrentando os desafios do nosso tempo com o Seu olhar. Deus não nos quer santos à imagem de outros tempos nem fora do mundo. Quer-nos rosto de Cristo no serviço aos outros, cada um na sua condição. E todas levam à santidade (Lumen Gentium, 41). És catequista? Voluntário? Animador? Educador? Sê paciente, ouve e educa com o amor misericordioso do Pai. Na escola? No trabalho? No lugar mais desumano? Cumpre o teu dever, sê testemunho de Cristo. Será que ainda te lembras da receita da santidade de D. Bosco? (S. João Bosco Uma Nova Biografia, Terésio Bosco, p.239)

Os santos são pessoas felizes – já dizia D. Bosco que a santidade consiste em estarmos sempre alegres -, uma alegria autêntica que nasce da comunhão com Deus (Gn. 3). São também pessoas corajosas, que saem da zona de conforto, não se acomodam à inércia, ao medo. Deixam-se guiar totalmente pelo Pai, como Jesus. Ele sacrificou-se para nossa santificação, teve a coragem de arriscar sempre. Se ser cristão é seguir Cristo, ser cristão é também ser um corajoso protagonista do Seu amor. Não é ser capa de revista nem querer glória, mas fazer-se pequeno para deixar Deus crescer em si. Foi assim com os santos que conheces.

Deixemo-nos de desculpas. “Não viemos ao mundo para vegetar”, dizia o Papa Francisco nas últimas Jornadas Mundiais da Juventude. Vais querer deixar a tua marca ou viver sem sentido? Vais ignorar este dom? Deus quer realizar em ti os maiores milagres. Ele espera a tua resposta. Cabe a ti a decisão. Faz render este dom em cada gesto do teu dia. E quando duvidares qual o caminho da santidade, a resposta está sempre em Jesus. Que faria Ele? Assim seja.

Artigos Relacionados