Uganda, campo de refugiados de Palabek: Ensinar “a pescar”

Giacomo Comino, missionário salesiano, com a ajuda de Flavio Filippi, um empresário reformado do setor de vendas de ferramentas, organizou o envio de um contentor com material para o campo de refugiados da ACNUR de Palabek, no Uganda.

Nas últimas semanas de dezembro em Fossano, uma cidade do Piemonte, o missionário salesiano Giacomo Comino carregou um contentor que partiu em fevereiro para Palabek, no Uganda. O destino é o campo de refugiados da Agência das Nações Unidas para os Refugiados de Palabek, no norte do país, junto à fronteira com o Sudão do Sul. Dentro não vão produtos de primeira necessidade “comuns”, como alimentos ou medicamentos, mas sim materiais para montar uma escola técnica. Caixas de metal, computadores, betoneiras, pás, enxadas e até mesmo uma empilhadeira para levantamento de cargas. Para esta expedição, Giacomo Comino conta com a ajuda de Flavio Filippi, um empresário reformado do setor de vendas de ferramentas que, depois de deixar a atividade ao cuidado de seus filhos, se dedica agora a ajudar os missionários. Flavio Filippi pretende disponibilizar o máximo de material possível para o campo de Palabek. O contentor foi carregado até não haver espaço para uma agulha. Vai viajar por via marítima até Mombasa, no Quénia, 10.000 km em linha reta e, em seguida, 1.500 km por estrada até Palabek.

A ideia de Giacomo é montar pequenas oficinas para que os refugiados possam aprender a realizar trabalhos manuais. Podemos perguntar-nos: com tantas urgências que um campo de refugiados deve ter, é realmente necessário instalar uma pequena oficina?

A resposta é articulada, mas Giacomo torna-a simples, citando o famoso princípio que inspira a cooperação: “É melhor ensinar a pescar do que dar um peixe”. No campo de Palabek há muitos jovens que precisam de instrução, de desenvolver habilidades manuais, mesmo as mais básicas, para que possam construir um futuro, alargando as suas possibilidades de subsistência. É um passo importante para a promoção da normalidade e para a reconstrução das comunidades.

Leia também  Haiti: um país em reconstrução

Missioni Don Bosco/InfoANS

Publicado no Boletim Salesiano nº 573 de Março/Abril de 2019

Artigos Relacionados