Conselheiro Geral para as Missões em visita às Missões Salesianas dos Povos Xavante e Bororo

Depois de visitar o “Museu das Culturas Dom Bosco” e o “Centro de Documentação dos Povos Indígenas”, da Universidade Católica Dom Bosco, de Campo Grande-MS, o Pe. Alfred Maravilla, Conselheiro Geral para as Missões, visitou, nos dias 25 e 26 de novembro, as Missões Salesianas entre os Xavante, em São Marcos, numa visita que lhe deu a possibilidade de ouvir os seus Irmãos, e conhecer oportunidades e desafios deste importante trabalho.

A visita culminou na Eucaristia, no dia da Solenidade de Cristo, Rei do Universo, quando 16 catecúmenos xavantes receberam o Batismo. Sucessivamente, o Pe. Alfred pôde visitar também a Comunidade Xavante, encontrar-se com os jovens, adultos e os vários responsáveis pela comunidade indígena.

Na tarde de 26 de novembro, viajou à Missão Salesiana entre os Bororo, em Merúri. No dia 27 de novembro, presidiu à Eucaristia com os salesianos que trabalham entre Xavantes e Bororos.

Durante a homilia recordou a figura dos Servos de Deus, Pe. Rodolfo Lunkenbein e Simão Bororo, sublinhando que “recordar o seu martírio é importante, mas que é mais importante recordar sobretudo a causa pela qual eles deram a vida: para que os Bororos possam viver com dignidade, como Filhos de Deus”.

Pela manhã, ao saudar os salesianos, o Pe. Maravilla sublinhou que a sua breve visita tem a finalidade de reforçar que “o trabalho entre as populações indígenas é importante para a Congregação Salesiana. Temos uma longa história, em que os salesianos têm dado tudo pelos Povos indígenas, promovendo e preservando-lhes a língua e a cultura, como o demonstram a ‘‘Enciclopédia Bororo”, feita pelos Salesianos, o ‘Museu das Culturas Indígenas’ e o ‘Centro de Documentação dos Povos Indígenas’, da Universidade Católica Dom Bosco”.

No entanto, explicou, “há que repensar a nossa missão entre os povos indígenas à luz das renovadas reflexões tanto missiológicas quanto eclesiológicas, como também das novas realidades socioculturais que os mesmos Povos indígenas devem enfrentar, como o mundo virtual ou a presença dos jovens indígenas nos Centros urbanos”. “Todas estas coisas estão a pedir-nos opções corajosas, proféticas”, sublinhou.

Leia também  Bicentenário: Digo que João Bosco está vivo!

A visita do Pe. Maravilha terminou com a peregrinação aos túmulos do Pe. Lunkenbein e de Simão Bororo.

Na viagem de regresso, por Cuiabá até Manaus, o Conselheiro Geral para as Missões fez uma breve paragem para despedir-se dos Salesianos que trabalham com os Xavantes em Sangradouro, e para visitar algumas Aldeias xavantes e falar com seus responsáveis.

Artigos Relacionados