Salesianos Síria

10 anos de guerra na Síria: uma década de dor e sofrimento, mas também de esperança e paz “salesianas”

Quando tudo começou, pensou-se que seria uma questão de dias ou no máximo de algumas semanas e que em breve tudo voltaria ao normal. Mas já passaram 10 anos desde o início das hostilidades e a paz ainda não chegou. Não há mais bombardeamentos nas grandes cidades, como havia há alguns anos, mas o rasto de destruição, morte, feridos e deslocados é infinito. Os Salesianos, por seu lado, reinventam-se constantemente com um único objetivo na sua mente e no seu coração: “Não deixem os jovens e as suas famílias sozinhos”. E conseguiram formar uma grande família de crianças, jovens e adultos em torno da figura de Dom Bosco; os seus ambientes são considerados “oásis de paz”.

Só os números falam da catástrofe humanitária da guerra da Síria: mais de meio milhão de mortos, 1,5 milhões de feridos, 5,7 milhões de refugiados e 6,7 milhões de deslocados internos… É verdade que os combates diminuíram, mas a crise económica e a pandemia são atualmente as batalhas mais dramáticas sofridas pela população, uma vez que 80% dos sírios vivem abaixo do limiar da pobreza desde o início do confinamento do ano passado.

Nestes dez anos houve tantos momentos dolorosos; afinal de contas, “na Síria, todos choramos por um membro da família ou um amigo morto por bombas”, acrescenta o salesiano Pier Jabloyan. Contudo, a esperança sempre foi mais forte que a guerra, e a cultura de paz transformou os ambientes salesianos em oásis.

Este ambiente familiar ajudou a unir toda a comunidade cristã de Aleppo e Damasco, mesmo nas piores situações, e multiplicou a fé dos jovens e das suas famílias. Atualmente, em Damasco, há 1.200 menores, adolescentes, jovens e mesmo grupos de adultos ativos na casa salesiana; em Aleppo, havia até 1.000 jovens de diferentes confissões cristãs. O resultado foi uma grande família que se ajudou mutuamente, que esteve sempre em contacto uns com os outros e que reforçou a sua fé no meio das dificuldades.

Leia também  “O Cheiro dos Velhos”, peça de teatro na fronteira entre “verdade” e “mentira”

Mas há muitas crianças menores de 10 anos que não conhecem outra vida senão a da guerra e, por esta razão, os Salesianos continuam a estar ao seu lado, oferecendo acompanhamento, alimentação e apoio económico a eles e às suas famílias.

De facto, a ajuda nunca foi escassa. Graças ao apoio económico de muitas organizações salesianas, e também graças à oração e à proximidade, os Salesianos de Aleppo, Damasco e Kafroun continuam a ajudar as crianças com cursos de recuperação, oficinas de teatro, atividades desportivas e recreativas. Mesmo durante a pandemia.

Os sírios choram em voz alta, pedem uma paz definitiva e duradoura para poderem começar a reconstruir o seu país e as suas vidas. Entretanto, os Salesianos oferecem educação para a paz e valores cristãos a qualquer pessoa que se aproxime das suas presenças em Aleppo, Damasco e Kafroun.

Artigos Relacionados