Carta a Cléofas

Acompanhamento Vocacional é uma reflexão sobre o encontro com a vontade de Deus e a proposta oferecida pelos salesianos a adolescentes e jovens.

Caro Cléofas 1

Vais desculpar-me o atrevimento de te escrever esta carta. A verdade é que, quando penso em acompanhamento espiritual, penso sempre em ti e o no teu companheiro de viagem que tiveram a graça de ser acompanhados pelo próprio Jesus na tarde daquele domingo, o mais importante e o único indispensável da história.

Queria agradecer-te por te teres deixado acompanhar. Acredito que não foi fácil ao longo da estrada ouvires aquele estranho a dizer que vocês não tinham compreendido nada do que tinha acontecido em Jerusalém. Acredito que aquele desconhecido te tenha até incomodado um pouco ao princípio. Mas este é sempre o primeiro passo do acompanhamento espiritual: deixar-se incomodar por Deus. Deixar que Deus, na pessoa daquele que acompanha, fale e te diga o que não entendes da tua vida e te ajude a esclarecer o que ainda não te é claro. O acompanhamento espiritual é, como diziam os Padres da Igreja, iluminação do que em nós é obscuro.

Queria também agradecer-te por teres convidado Jesus a entrar na tua casa. Acredito que não tenha sido fácil este convite. Não o conhecias ainda, ou pelo menos pensavas que não. Mas algo dentro de ti ardia já. Como arde sempre a presença de Deus. Estou convencido que este é o grande fruto da direção espiritual: convidar Jesus a entrar na própria casa. E convidá-lo a ficar. Depois de compreendermos que toda a nossa vida pode ser lida à luz da oferta de Jesus, sentimos arder cá dentro o desejo de O ter connosco e de poder partilhar com Ele o que é de todos os dias: a mesa e o pão… a fadiga que é pôr o pão na mesa e a alegria que sentimos por poder partilhá-lo com alguém.

Leia também  Dias da Espiritualidade em Turim: Ali, no meio dos jovens

Caro Cléofas, queria também agradecer-te por não teres ficado em Emaús com o teu companheiro de viagem depois de Jesus se ter revelado a ti. Provavelmente estavas já cansado da viagem, mas percorrestes o caminho de volta a Jerusalém. Certamente que até correste. E esse caminho, apesar de ser em subida, levou muito menos tempo a fazer do que a viagem de ida que tinha sido a descer. O acompanhamento espiritual que Jesus te proporcionou fez com que não te cansasses ao percorrer o mesmo caminho. Penso que seja assim na nossa vida também. Com Jesus a arder no coração podemos fazer as mesmas coisas de sempre, percorrer os mesmos caminhos, que tenho a certeza que é sempre tudo novo e diferente.

Cléofas, sei que não foste o mesmo desde que aquele Pão te abriu os olhos. Sei que Jesus te mudou a vida: tornaste-te sua testemunha! O acompanhamento que Jesus te fez trouxe à tona o “mais” que havia em ti; o “melhor” do que tu és. Na verdade: Deus transbordou de ti! E a partir desse momento, o estilo da tua vida foi outro. Tudo isto é o sinal do progresso espiritual que o acompanhamento faz em quem se deixa acompanhar. Quanto movimento! Quanta novidade! Quem se deixa acompanhar sente Deus a agir em si e encontra direção, significado, impulso ao bem.

Sabes o que sonho para mim, Cléofas? Que possa fazer o mesmo caminho que tu e acolher Jesus! Sonho que o meu coração e o meu corpo sejam cada vez mais de Jesus, que as minhas palavras sejam cada vez mais parecidas com as d’Ele, que os meus olhos vejam cada vez mais como os d’Ele. Sei que o acompanhamento espiritual é a melhor forma de percorrer este caminho!

Leia também  Nada poderá substituir o tempo: Precisamos da presença acolhedora

Obrigado, Cléofas, por te teres deixado acompanhar por Jesus e por me mostrares que é possível escutar, acolher e viver Deus!

Nota: Com esta carta quis somente escrever sobre o que acredito ser a melhor forma de se deixar acompanhar. A direção espiritual abre-nos a Deus, faz-nos reconhecer os seus movimentos em nós para que possamos viver a vida com Ele e sentir-nos transformados e enviados.

1 Cléofas é um dos dois discípulos que, segundo Lc 24, 13-34 ia a caminho de uma aldeia chamada Emaús na tarde do dia de Páscoa quando o próprio Jesus se lhes apresentou e os acompanhou até à aldeia e até à descoberta do seu mistério pascal.

Publicado no Boletim Salesiano n.º 593 de julho/agosto de 2022

Torne-se assinante do Boletim Salesiano. Preencha o formulário neste site e receba gratuitamente o Boletim Salesiano em sua casa.

Faça o seu donativo. Siga as instruções disponíveis aqui.

Artigos Relacionados