Ucrânia: Junto dos jovens num momento muito delicado

Nestes dias de espera extenuante e incertezas, a vida na Ucrânia parece decorrer normalmente: as pessoas saem para o trabalho, os alunos frequentam a escola, nas casas salesianas todos vão à missa e vão ao oratório. No entanto, a tensão é inegável, e é por isso que a Família Salesiana se faz portadora de ajuda moral e material aos jovens e a toda a população.

No dia 26 de janeiro, dia em que o Santo Padre pediu a toda a Igreja que rezasse pela paz no antigo país soviético, os jovens da obra salesiana “Maria Auxiliadora” de Kyiv reuniram-se para compartilhar uma fé mais forte que o medo. “Aqueles que são crentes têm um raio de esperança, não se sentem sozinhos. Mas aqueles que não creem, aqueles que não conseguiram fazer uma experiência de Deus – porque não esqueçamos que o comunismo na Ucrânia rasgou os fundamentos da fé humana – vivem o medo de uma forma mais intensa. O nosso oratório está a tornar-se a casa de todos”, testemunhou o Pe. Maksym Ryabukha, diretor da casa em Kyiv. É importante destacar que o compromisso também tem uma dimensão ecuménica, uma vez que as iniciativas são realizadas em diálogo seja com a Igreja Ortodoxa como com as comunidades católicas de rito bizantino.

Por isso, a obra salesiana de Kyiv, que possui um centro juvenil e também cuida da Pastoral universitária, está a tornar-se um refúgio para muitos: católicos, ortodoxos e até diversos não crentes. Os jovens espalham a notícia nas redes sociais, às vezes envolvendo também as suas famílias. E o grupo se expande, dia a dia, e os jovens se reúnem, em grupos de 100, todas as noites para rezar juntos uma Ave-Maria e receber o pensamento de “boa noite” ao estilo de Dom Bosco. Fazem isso todos os dias há mais de 300 dias, ou seja, desde que a crise ucraniana se voltou a agravar.

Leia também  Comunicadores salesianos em Formação

Também em Zhytomyr, cidade a cerca de 110 km a oeste de Kyiv, onde os salesianos animam a escola “Vsesvit” e procuram desenvolver um oratório moderno, as pessoas rezam pela paz e tentam acalmar o medo com o diálogo. “É claro que falamos com os alunos sobre a situação”, observa Nataliya Nagalevska, 48 anos, professora de língua italiana na escola salesiana, “mas acima de tudo rezamos pela paz. Todas as segundas-feiras promovemos uma oração comum com toda a escola. Nossos filhos rezam muito e a deles é uma oração tão sincera! Eles oraram pelo fim da pandemia de Covid-19. E agora rezam para que esta crise não leve a um conflito”.

E mesmo em Lviv, cidade muito distante de Kyiv, no extremo oeste do país, a apenas 70 km da Polónia, os salesianos relatam um clima tenso: nas últimas semanas a escola salesiana teve que interromper as aulas várias vezes devido a ameaças de bomba, que, felizmente, se revelaram falsas. “Mas causam alvoroço e perturbam todo o sistema educacional, porque as crianças precisam interromper os estudos, ir para casa e não podem voltar para a escola até que a polícia examine todo o prédio”, testemunha o Pe. Yuri Smakous, 39 anos, sacerdote e diretor da escola administrada pelos Filhos de Dom Bosco, onde estudam cerca de 400 alunos entre os 10 e os 17 anos.

Em Lviv, a casa salesiana inclui também uma casa de família que acolhe 65 órfãos ou crianças de famílias carenciadas, com idades entre os 6 e os 18 anos, e dirige uma escola profissional com vários cursos, que vão de hotelaria até carpintaria. A casa é dirigida pelo Pe. Andryi Bodnar, 39 anos, natural de Lviv que, por sua vez, comenta: “Claro que aqui na parte ocidental não sentimos a mesma tensão que nas regiões orientais”.

Leia também  Edições Salesianas: um dia cheio de emoções

Na parte oriental, por outro lado, em Dnipro, a terceira cidade mais populosa da Ucrânia, não muito distante do território de Donetsk, reside o salesiano Pe. Oleh Ladnyuk, que desde 2014, quando eclodiu o conflito em Donbass, foi chamado para ser capelão militar das tropas ucranianas na frente.

Normalmente ele viaja pelas aldeias da região para oferecer cursos de animação juvenil salesiana nas paróquias greco-católicas. “Organizamos acampamentos de verão e eu gostaria também de propor cursos de formação para os jovens animadores destas regiões”. No entanto, agora, com os párocos dos territórios e em colaboração com a Cáritas empenhada na linha da frente, a sua atenção está voltada para a organização da evacuação dos habitantes, começando pelas crianças, em caso de guerra.

Por fim, sobre a maneira com que os cidadãos vivem estes momentos, o Pe. Ladnyuk partilha: “Todos os jornalistas que vêm à Ucrânia imaginam que encontrarão pânico entre os cidadãos. Mas vivemos neste estado de conflito há oito anos. Temos medo, é claro, mas agora, para nós, já faz parte do quotidiano. Os jornalistas estrangeiros não compreendem porque estamos tão calmos… No entanto, estamos cansados, muito cansados, de ter medo”.

Artigos Relacionados