Salesianos do Porto: Uma rede que apoia crianças e jovens vulneráveis

É o mais recente Serviço Social da Fundação Salesianos. Em 2019 arrancou no Porto o Serviço SolSal Porto integrado na Casa Juvenil São João Bosco na zona este da cidade, na freguesia de Campanhã, para dar apoio a crianças e jovens vulneráveis da área envolvente.

“Desde o início envolvemos as diversas instituições do nosso território de forma a construir uma intervenção que fosse direcionada para combater as principais necessidades existentes”, explica Hélder Nogueira, responsável do SolSal Porto. O papel da Câmara Municipal do Porto foi importante no início do projeto ao ajudar a estabelecer redes de contactos com várias instituições da cidade. Parceiros como o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), o Instituto Politécnico do Porto (IPP), o projeto Sinergias E7G, o Projeto Bike Atitude do programa AIIA Abordagem Integrada para a Inclusão Ativa, a Norte Vida e a Escola Nicolau Nasoni ajudaram a identificar as crianças e os jovens e a desenhar as ações do Serviço SolSal.

Uma das valências é a formação profissional para jovens “NEET” (“Not in Education, Employment or Training”), isto é, jovens desempregados que já não frequentam a escola, não estão integrados no mercado de trabalho e que têm poucas qualificações, muitas vezes associados ao abandono escolar precoce.

Segundo o relatório das tendências mundiais do emprego jovem de 2020 da Organização Internacional do Trabalho, há uma tendência de crescimento dos jovens nesta situação, um quinto dos 1,3 mil milhões de jovens no mundo. Na União Europeia e em Portugal o tema está na agenda política e, apesar de durante vários anos os números terem vindo a cair, a pandemia está a inverter a tendência.

A abertura do Curso de Técnicos de Informação e Animação Turística (TIAT) trouxe aos 20 primeiros jovens “NEET” o desenvolvimento de competências pessoais e sociais numa área com boas hipóteses de empregabilidade. Para além da formação profissional – financiada e certificada pelo IEFP e monitorizada e dinamizada pela equipa de três técnicos que compõe o Solsal – os jovens frequentaram um conjunto de oficinas e workshops na área da animação.

Leia também  Recordar o Pe. Paulo Albera, Sucessor de Dom Bosco

Uma curiosidade do projeto é que os alunos do curso têm a oportunidade de colaborar com o próprio SolSal nas atividades extracurriculares para crianças dos 10 aos 16 anos, que é o segundo eixo da ação do SolSal Porto.

Estas crianças recebem apoio ao estudo duas vezes por semana ao fim do dia, frequentam oficinas de desporto de natureza, atividades nas interrupções letivas do Natal, da Páscoa e do verão, entre outras. Atualmente são 24 as crianças e jovens do 2.º e 3.º ciclos que frequentam com regularidade estas atividades e que de outra forma não teriam qualquer ocupação. Desde o início do projeto até agora, foram cerca de 100.

O SolSal Porto conta ainda com a colaboração de jovens universitários do programa de voluntariado do Instituto Politécnico do Porto. “O voluntariado assume uma grande importância para a ação do nosso serviço”, conta o responsável do serviço que é também sociólogo, e que para além do trabalho junto das crianças mais novas, trabalha na construção de respostas às necessidades dos participantes e da comunidade. “Neste ano letivo, estão connosco sete estudantes universitárias do IPP que, de forma regular, apoiam as atividades que realizamos com as crianças. O Solsal conta ainda com três voluntários do IPP que fizeram o voluntariado no ano letivo anterior, e que este ano, pontualmente, estão presentes em ações com os jovens adultos que frequentam as ações do nosso serviço”.

O Curso de TIAT vai na segunda edição com 22 jovens a receberem formação, acompanhamento psicosocial e orientação vocacional. A primeira edição do curso, apesar do impacto da pandemia, resultou na colocação no mercado de trabalho, após o estágio, de sete dos 18 jovens que concluíram a formação. Um resultado que anima a equipa e demonstra a importância e a validade do projeto.

Leia também  Sínodo dos Bispos: Português foi língua oficial da assembleia

Artigos Relacionados