CanSat Portugal

CanSat Portugal: Satélite de alunos dos Salesianos de Lisboa vence concurso

Durante cinco dias decorreu nos Açores a final da 11.ª edição do CanSat Portugal. O satélite HermeSat dos alunos dos Salesianos de Lisboa venceu a prova deste ano. Os alunos construíram um satélite do tamanho de uma lata de refrigerante capaz de recolher fotografias do solo com uma câmara para determinar os locais de aterragem mais seguros.

A final da 11.ª edição do CanSat Portugal juntou 16 equipas, compostas por 91 alunos e 17 professores na Ilha de Santa Maria, nos Açores, de 1 a 5 de maio.

Ao longo dos cinco dias da final, os alunos tiveram que fazer a apresentação dos seus projetos ao júri, testar os satélites com o lançamento de um drone a 100 metros de altitude, corrigir eventuais falhas, e, finalmente, fazer o lançamento a cerca de mil metros e realizar as várias missões. Todas as equipas foram bem sucedidas no lançamento dos rockets com os satélites. Seguiu-se a análise dos dados obtidos e a apresentação dos resultados ao júri.

Como prémio, a equipa HermeSat vai representar Portugal no evento da Agência Espacial Europeia “Engenheiro espacial por um dia”, que conta com a participação dos vencedores de todas as competições CanSat da Europa, a decorrer em junho no European Space Research and Technology Centre, em Noordwijk nos Países.

O satélite HermeSat vai ainda ser lançado em outubro no concurso universitário de lançamento de rockets, o EuRoC, que decorre desde 2020 no Aeródromo de Ponte de Sor, no Alentejo, que junta equipas de vários países europeus.

A equipa CanHelp dos Salesianos de Lisboa também foi premiada. O objetivo da missão do pequeno satélite CanHelp era conseguir o voo controlado do CanSat para localizar uma pessoa desaparecida e recebeu uma Menção Honrosa.

Leia também  Salesianos de Lisboa: mais um prémio literário 

O CanSat Portugal é uma prova nacional, com organização da Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica e da Agência Espacial Europeia, em que alunos do ensino secundário de todo o País projetam e constroem um modelo funcional de um microssatélite com as dimensões de uma lata de refrigerante. Os alunos são também responsáveis pela construção do respetivo paraquedas e pelas comunicações do satélite com a sua estação em terra. Cada satélite tem que cumprir uma missão primária, que implica a medição da temperatura do ar, pressão atmosférica e a transmissão por telemetria, a cada segundo, dos parâmetros medidos para a estação terrestre; e uma missão secundária, definida por cada equipa.

Artigos Relacionados