Pe. Faustino García Peña: missionários em território muçulmano

Sacerdote salesiano espanhol é atualmente missionário na Tunísia, país árabe onde praticamente toda a população é muçulmana.

O Padre Faustino García Peña é um missionário salesiano que, depois de exercer o cargo de Provincial na África Francófona Ocidental, foi trabalhar para Tunes, na Tunísia. Faus, como gosta de ser chamado, mudou sem pensar muito na mudança: “Tunes é uma linda cidade na qual se pode viver com profundo sentido a nossa vida cristã e salesiana, onde Deus está muito presente e a pastoral salesiana tem campo aberto. Uma cidade que dá um sentido pleno à vocação de missionário porque se pode trabalhar pela construção do Reino de Deus e na qual ganham sentido as palavras «venha a nós o vosso Reino» que dizemos no Pai-Nosso”.

E é assim que procuram fazê-lo diariamente os missionários com o seu trabalho em Tunes. A presença salesiana inclui quatro comunidades: duas de Salesianos e duas de Filhas de Maria Auxiliadora (FMA). “Somos quatro salesianos divididos em duas comunidades e cada uma tem a seu cargo um colégio. Em Manouba, com quase 750 alunos, e na capital, Tunes, onde eu estou e que tem cerca 1.000 alunos. Trabalhamos também no oratório aos fins de semana e prestamos serviço pastoral a várias paróquias e comunidades religiosas próximas”. Há também nove FMA que se encontram em Menzel Bourguiba, onde atendem um colégio com 700 alunos, e em La Marsa, onde contam com uma casa para raparigas subsaarianas.

O trabalho diário, num país muçulmano, realiza-se “não através de símbolos cristãos, de mensagens bíblicas ou de uma evangelização explícita, mas através do testemunho silencioso: a nossa dedicação a todos, o trabalho na escola, a presença constante no meio das crianças e jovens, todos muçulmanos, o contacto quotidiano com professores e pais, igualmente muçulmanos, a nossa atitude de escuta e acolhimento, a nossa alegria, simplicidade na relação, o nosso desejo de fazer ver que somos uma família…”

Leia também  Banda Juvenil Salesiana de Poiares em Itália

A vivência quotidiana do espírito salesiano é a sua maneira de transmitir o Evangelho, é a ‘palavra’ que diariamente pronunciam àqueles pelos quais ali estão. “Estamos seguros de que Jesus está no meio desta gente, e de que Deus faz frutificar o nosso trabalho… nós somos simples semeadores”.

E os frutos, pouco a pouco, vão aparecendo: “Que satisfação quando um menino, um jovem ou um adulto se dirige a nós chamando-nos ‘mon père ou mon frère!’ ou quando um jovem animador se aproxima para transmitir o seu desejo de fazer uma experiência de voluntariado na África subsaariana, ou quando chega o Natal ou a Páscoa e nos desejam ‘boas festas!’ porque sabem a importância que estas datas têm para nós, cristãos”, confessa com alegria o Pe. Faus.

“Somos felizes em Tunes, sentimo-nos muito salesianos e encontramos pleno sentido na nossa missão aqui. Vendo as coisas de fora, talvez não se descubra o sentido do nosso ‘estar’ aqui. Nós, porém, encontramo-lo, porque  estamos conscientes de que, através da nossa presença, estamos a transmitir uma mensagem a todos aqueles que se empenham em fazer dois blocos opostos: muçulmanos e cristãos”, explica Faus. A presença dos Salesianos é testemunho de fraternidade e de comunhão, “não na mesma Religião, mas numa convicção: não podemos construir uma vida, uma sociedade, à margem de Deus. Queremos contribuir para o trabalho de todos os que querem demonstrar que muçulmanos e cristãos podemos viver, trabalhar, compartilhar a vida e ser felizes juntos, construir uma melhor sociedade juntos, onde a paz, a fraternidade, o amor e o perdão reinem… Não é isto o Reino de Deus?”, pergunta-se o missionário salesiano.Faus mostra-se grato “por tudo, porque não podemos fazer outra coisa senão dar graças a Deus por acreditar na validade e na oportunidade desta missão no meio de um povo muçulmano que merece todo o nosso respeito e admiração”. 

Leia também  CG28: à redescoberta do “Evangelho de Dom Bosco”

Texto adaptado de Boletim Salesiano Espanha

Publicado no Boletim Salesiano nº 573 de Março/Abril de 2019

Artigos Relacionados