Consagrados: Acolher a Luz verdadeira

Editorial do Boletim Salesiano n.º 572 de Janeiro/Fevereiro de 2019

O mês de fevereiro abre-se com a festa litúrgica da Apresentação do Menino Jesus no Templo. O jovem casal de Nazaré, Maria e José, em obediência à Lei judaica, apresentaram o seu Menino no templo, o primogénito, acompanhado da oferta de duas rolas ou pombinhas, como estava previsto. A pobreza desta família e a condição virginal de Maria levaram a que se escolhesse o dia 2 de fevereiro para a festa daqueles que se dedicam ao serviço de Deus e do povo nas várias formas de vida consagrada.

Assim como a Virgem Maria levou ao colo a “luz para se revelar às nações”, os consagrados e consagradas acolhem essa luz verdadeira, e iluminados por ela, comunicam-na ao mundo! “Neles emerge em cada manhã a liberdade, a disponibilidade e a abertura para a compreensão dos caminhos que urge percorrer para que o Evangelho seja colocado na vanguarda do tempo e na universalidade das culturas.” (D. António Francisco dos Santos)

Enquadra-se bem neste espírito a figura do Beato Miguel Rua, primeiro sucessor de D. Bosco, que faz a capa desta edição do BS. Em criança, tinha recebido de D. Bosco um sinal da sua vocação, num gesto emblemático em que dividia em duas partes a sua mão dizendo: “nós faremos tudo a meias”. Iniciava um percurso, do qual começou desde logo a fazer parte, de modo gradual e espontâneo, uma assunção de responsabilidades de serviço, diríamos hoje, de protagonismo juvenil. Miguel cresceu ao lado do santo educador, bebendo diretamente da fonte carismática, partilhando a vida do dia a dia, com tantos desafios à mistura, e fazendo seus os sonhos de um visionário que, pelo bem dos jovens (pela sua salvação), avançava até à temeridade.

Leia também  Entrevista Celeste Lago

Não admira, por isso, que tendo Miguel Rua sido um discípulo tão empenhado e atento, se tornasse um apóstolo fiel e criativo, timoneiro de uma formidável expansão da missão salesiana, sem fronteiras. Com ele o número de salesianos passou de 773 para 4 000, as comunidades de 57 para 345 e as províncias de 6 para 34, em 33 países do mundo. Foi com ele que os Salesianos chegaram a Portugal, tendo mesmo a honra da sua visita. Paulo VI, que o beatificou em 1972, afirmou: “A Família salesiana teve em D. Bosco a origem, em D. Rua a continuidade […]. Ele fez do exemplo do santo uma escola, da sua Regra um espírito, da sua santidade um modelo. D. Rua inaugurou uma tradição”. 


Fotografia de entrada: Beato Pe. Miguel Rua em visita à primeira obra salesiana em Portugal, o Colégio de São Caetano em Braga em 1899, com o Pe. Pedro Cogliolo

Publicado no Boletim Salesiano n.º 572 de Janeiro/Fevereiro de 2019

Artigos Relacionados