“Misericordiosos como o Pai” – Leitura salesiana do Ano Jubilar

“O Reitor-Mor não podia deixar passar o Ano Jubilar da Misericórdia sem nos ajudar a entrar em sintonia profunda com toda a Igreja. Ele convida-nos a acolher a graça deste grande evento eclesial e também a descobrir os frutos de misericórdia que o carisma salesiano pode nos trazer” – observa o Vigário do Reitor-Mor, Pe. Francesco Cereda, acerca da Carta do Reitor-Mor “Misericordiosos como o Pai” (ACG 423).

O Ano da Misericórdia é uma como árvore que afunda as raízes no terreno da Igreja Pós-conciliar, Igreja que preferiu assumir “o remédio da misericórdia” a “abraçar as armas do rigor”, convidando ao serviço samaritano para com o mundo. É uma árvore que cresceu nutrindo-se da reflexão e da experiência da “Dives in misericordia”, de João Paulo II, e da “Deus Caritas Est”, de Bento XVI. É uma árvore que já dá frutos maduros nas palavras e ação do Papa Francisco.

Dom Bosco, para reconhecer e acolher a misericórdia de Deus, teve de percorrer um caminho de conversão: a “visão” de Deus que ele assume desde adolescente, no contexto teológico do seu tempo, é a de um Deus severo e tremendo. Só por vezes a Sua justiça aparece mitigada pela Sua bondade providente. Será na escola do Pe. Cafasso e do Pe. Guala que ele irá aprender a moral equilibrada. Será sobretudo acompanhando os seus meninos/adolescentes, pobres e difíceis, que ele assumirá, para sempre, não o rigor, mas a bondade, a benignidade, a misericórdia de Deus.

O Reitor-Mor pergunta-se a seguir qual deva ser a experiência da misericórdia em cada casa salesiana do mundo.

Conflitos, fundamentalismos, violências em nome de Deus, injustiças – tudo invoca a oferta da misericórdia. A geografia do sofrimento nos chama à compaixão. Por outro lado, não poderemos oferecer misericórdia se não tivermos experimentado nós perdão e misericórdia por parte de Deus, especialmente através do Sacramento da Reconciliação.

Leia também  Manique: Pe. José F. Fernandes comemora 97 anos

Em nosso carisma, misericórdia significa possuir o mesmo coração de Jesus Bom Pastor. Significa praticar o Sistema Preventivo e viver a presença no meio dos jovens, porque sem proximidade não se comunica misericórdia. Misericórdia requer enfim justiça social em nossos ambientes: doutra forma ela se apresentará numa como expressão abstrata. Abstrata e vazia.

Ao concluir, o Reitor-Mor nos chama a reconhecer e invocar Maria como Mãe da Misericórdia, Seja Ela nossa Mestra e Guia.

A Carta do Reitor-Mor “Misericordiosos como o Pai” está à disposição no sítio web sdb.org.

Artigos Relacionados