Uma resposta exigente: família com coração missionário

Mensagem do Reitor-Mor aos leitores do Boletim Salesiano.

Uma vez mais, Valdocco viveu a radiosa e comovente jornada da partida dos novos missionários. No dia 11 de novembro de 1875, Dom Bosco enviava os seus primeiros missionários para a Patagónia (Argentina). Era a mítica “Primeira Expedição Missionária” capitaneada pelo jovem e corajoso João Cagliero. Como bem sabemos, Dom Bosco, desde jovem, acalentou o sonho de ser missionário. O padre Cafasso, acompanhando-o no seu discernimento vocacional, “barrou-lhe” o caminho, dizendo-lhe que não devia partir para as missões. No dia 25 de setembro deste ano, celebrei a partida de 43 missionários, religiosos e leigos, para a Expedição Missionária número 147. Porque o sonho “secreto” de Dom Bosco nunca sofreu interrupção, nem sequer durante as duas trágicas guerras mundiais.

Desta vez, 18 jovens salesianos e 17 Filhas de Maria Auxiliadora deixam pátria e afetos e partem rumo aos mais variados pontos do globo. A eles se juntam sete jovens (seis raparigas e um rapaz) que prestarão serviço cívico e missionário por um ano. Naturalmente, as religiosas e os religiosos, ao invés, fizeram a escolha “para sempre”. O seu é o dom da vida, para permanecer com os pobres, com as pessoas que se sentem abandonadas, com os outros irmãos e irmãs salesianos em tempos difíceis, como membros da Igreja, porque Deus permanece ao lado dos seus filhos que sofrem.

A 147.ª Expedição Missionária proclama que o Senhor continua a amar a Humanidade que criou e que nós, Família Salesiana, nos sentimos cumulados da ternura de Deus de um modo especial. Este cúmulo de amor tem de “transbordar” em volta de nós e requer uma resposta de exigente fidelidade.

Somos missionários de humanidade. Não somos missionários no mundo para fazer qualquer conquista. Somo-lo para compartilhar a vida com as pessoas que nos acolhem; somo-lo para servir, quaisquer que sejam as circunstâncias e as situações.

Leia também  Em missão: Todos, Tudo e Sempre!

Somos missionários de misericórdia e de fraternidade. Hoje o mundo sofre por toda a parte, guerras, divisões, pobreza extrema, refugiados, famintos, doentes, abandonados, racismo e xenofobia. Mas nós levamos uma mensagem de paz e de desenvolvimento, de perdão e de fraternidade.

Somos missionários para os últimos. Significa ter olhos e coração para os últimos e os pequenos. Recomendei-o aos que partiam. «Como Dom Bosco podeis estar próximos de todos, mas o vosso coração deverá estar sempre com os últimos e a vossa vida, sempre para os últimos».

Somos missionários porque discípulos. Nunca podemos esquecer que a nossa força vem do ser discípulos, membros de uma comunidade crente que toma a sério o mandamento de Jesus de ensinar em seu nome e de fazer com que todas as nações possam conhecer o Deus Misericordioso e Fiel que ama cada um dos seus filhos e as suas filhas na terra.

Maria, Mestra e Auxílio, Mãe de Misericórdia, vos acompanhe todos os dias e em todos os passos.

Originalmente publicado no Boletim Salesiano n.º 560 de Janeiro/Fevereiro de 2017

Artigos Relacionados