OUTRA MANEIRA DE FALAR DE TI

Rui Santiago, cssr (texto), Miguel Cardoso (fotografia) | out 01, 2016
ORA VÊ: 52 CONVITES DE ORAÇÃO EM FORMA DE LIVRO, TEXTO E FOTOGRAFIA. www.facebook.com/oraveonline

“Porque é que eu às vezes sou pequenina e às vezes sou tão grande?” A Ana perguntou-me isto enquanto caminhávamos de mão dada num daqueles passadiços que percorre as dunas. Na perspicácia dos seus quatro aninhos, perguntou-me isto apontando para a sua sombra, estendida na areia, por volta das nove horas da manhã.

Eu e ela, na forma das sombras que caminhavam a par de nós mas deitadas no areal, estávamos enormes, esticados. E eu falei-lhe do sol e das horas em que estas coisas acontecem. E eu falei-lhe da luz, que é outra maneira de falar de Ti, Deus da Vida e da Bondade. A gente parece que cresce quando a Luz nos apanha no ângulo certo. Expor-se é transpor-se. Na sombra das nossas solidões somos sempre apenas do tamanho de nós próprios! Só quem sai se vê aumentar. A vida estica-se, amplia-se, estende-se e entende-se, quando temos o despudor de a tirar fora de casa. Quem se protege a vida inteira acaba com os dias em migalhos na palma da mão e um frio imenso no coração. Só quem se dá se recebe, mais inteiro e verdadeiro, dos outros. Quem sai de si, encontra-se. Quem se gasta, permanece. Porque o sentido da existência não é guardar a vida que morre, mas construir a vida que não morre! Não foi disto que o teu Jesus falou tantas vezes com os seus amigos? Não foi o mistério da semente deitada à terra uma das suas confidências mais sérias?

ABBA, Pai de Jesus e Pai Nosso, porque é que eu às vezes sou pequenino e às vezes sou tão grande? E Tu, amorosamente, segurando-me pela mão com o carinho de sempre, continuas a falar-me da Luz e da Graça do teu Filho,
a ensinar-me como é que se põe a vida a jeito e como é que se põe jeito na vida.

Leia também  Antigo Aluno Salesiano eleito Reitor da Universidade da Madeira

Artigos Relacionados