Jornadas de Espiritualidade, Roma: prioridade à atenção educativa-pastoral das famílias

“Somos 21 grupos da Família Salesiana aqui presentes e estou muito feliz por isso (…) Gostaria de vos dizer uma coisa muito importante: nascemos para ser testemunhas de Deus”. Foi com estas palavras que o Pe. Ángel Fernandez Artime, Reitor-Mor, nos convidou a viver a 35.ª edição das Jornadas de Espiritualidade da Família Salesiana (JEFS), que decorreram no Salesianum da Casa Geral dos Salesianos, em Roma, entre 19 e 22 de janeiro.

Portugal esteve representado com oito membros: padre Joaquim Taveira da Fonseca, delegado nacional da FS; Paulo Chaves Mendes, administrador dos Salesianos de Manique; padre António Marcelino, dos Salesianos do Funchal; ir. Maria de Lurdes Teixeira, FMA, do Externato S. João Bosco de Viana do Castelo; ir. Maria João Garcia, FMA, da Casa de Santa Ana de Setúbal; Graça Borges, coordenadora local do centro do Porto; Maria José Barroso, coordenadora nacional dos SSCC; e a responsável da formação, Maria Ana Martins.

Este encontro de Família realiza-se todos os anos e ajuda-nos a ter uma consciência mais clara do que significa a nossa pertença à FS. Por outro lado, permite-nos um contacto direto com o Reitor-Mor, centro de unidade e de comunhão da FS. Juntos, refletimos sobre o lema proposto pelo Reitor-Mor, conhecemos outros grupos, encontramos pessoas provenientes de muitos outros lugares, com quem temos uma afinidade espiritual. Ao mesmo tempo permite-nos entender melhor que aquilo que o Espírito fez em Dom Bosco se repete no nosso tempo. No seu todo, este encontro renova o nosso desafio à formação e permitir-nos-á responder melhor às diversas situações que a vida nos apresenta.

O programa destas jornadas centrou-se no tema da Família.

Leia também  “Vem ter comigo”: alunos do Estoril em peregrinação a Fátima

Da apresentação do Lema 2017, pelo Reitor-Mor, salientamos: “À dramática situação que atravessam hoje as famílias, a FS deve responder dando prioridade em todo o mundo salesiano à atenção educativa-pastoral que devemos prestar às famílias”.

Deixei aqui o que considero o essencial destas Jornadas. As experiências apresentadas, a beleza das Eucaristias celebradas, a reunião dos grupos por nações, e também por famílias salesianas, e a beleza e a alegria da unidade entre todos em todos os momentos, dariam um outro artigo e bem longo! Partilhei apenas, com amizade e carinho salesiano, o que pensei ser essencial. 

Originalmente publicado no Boletim Salesiano n.º 561 de Março/Abril de 2017

Artigos Relacionados