fbpx

“Felizes os pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus.”

Salesianos > Dossiers > Bem-aventuranças > “Felizes os pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus.”

Pode alguém ser feliz sendo pobre?

É talvez esta a pergunta que nos surge ao ouvirmos dizer «felizes vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus» (Lc 6, 20).

Uma pergunta honesta, é certo, mas parte de dois pressupostos errados. 1. A felicidade é a meta da vida; 2. A pobreza é o rosto dos falhados.

O engano da felicidade

A literatura dedicada ao bem-estar pessoal e ao sucesso tem crescido imenso nos últimos anos. Qualquer livraria, hoje, vende títulos do género “O bebé mais feliz do mundo”; “388 respostas para ser mais feliz”, etc. Todavia – diz Enzo Bianchi – a felicidade é um dos mitos mais perigosos da cultura ocidental porque ela é sempre um valor individual e, em casos extremos, a felicidade de um pode ser a infelicidade do outro. No fundo, a felicidade é tida como um projeto individual de autorrealização (Pier Angelo Sequeri) que relega para segundo plano a vida das outras pessoas (cf. Jo 15, 12-15).
Esta ideia de felicidade está, infelizmente, presente na edição portuguesa da Bíblia. Ao traduzir-se makarioi por felizes é como se fosse dito que Jesus, à semelhança de tantos outros, quer propor mais uma via da felicidade. É um equívoco.
Makarios quer dizer beato, bem-aventurado ou abençoado (Blessed, como se encontra na versão King James). Por outras palavras, Jesus quer introduzir-nos na dinâmica da graça de Deus, que se rege por critérios diferentes dos nossos. Para nós, um pobre é um falhado ou desgraçado (sem a graça). Para Deus, é um abençoado. Mas, que tipo de pobre estamos a falar?

Pobres no espírito

O evangelista Mateus, quando comparado a Lucas, esclarece que se trata dos «pobres no espírito» (Mt 5, 20). O pobre no espírito é, para o Antigo Testamento, o humilde e o pequeno diante de Deus (cf. Gn 32, 11- 12). Já para o Novo Testamento é aquela pessoa que não gosta de se exibir (Lc 14, 7-11), de se comparar aos outros (Lc 18, 9-14) mas que com facilidade leva a toalha à cintura para servir os outros (Jo 13, 1-19). Só assim compreendemos que Paulo tenha dito aos coríntios que «Jesus Cristo, sendo rico, se fez pobre por vós, para vos enriquecer com a sua pobreza» (2 Cor 8, 9; Cf. Fil 2, 1-11).
O pobre vive sem falsidade e sem soberba no coração. Reconhece, por isso, que tudo quanto tem é dádiva. E, nada tendo, tudo tem. Já nós, tendo tudo, muitas vezes não temos nada (daí o mito da felicidade).

Vosso é o reino de Deus

Aos humildes, Jesus prometeu o reino e a comunhão com Deus. Mas quando virá o reino de Deus? Cristo diz que «o Reino de Deus não vem de maneira ostensiva. Ninguém poderá afirmar: “Ei-lo aqui” ou “Ei-lo ali”, pois o Reino de Deus está entre vós» (Lc 17, 20-21). Por outras palavras, o reino de Deus acontece sempre que Deus reina. E, para reinar, necessita da nossa pobre colaboração.
Agora sim compreendemos o sentido desta primeira bem-aventurança. Os pobres no espírito são todos aqueles que têm a coragem de se descentrarem de si mesmos para colocarem Cristo e o Seu reino em primeiro lugar (Mt 3, 11-12). O papa Francisco diria que este é o tempo de «primeirear» (Evangelii Gaudium 24), de tomar a iniciativa de se envolver nas situações limite que causam repulsa a tantas pessoas.
Voltamos, portanto, à pergunta que nos levou até aqui. Pode alguém ser feliz sendo pobre? Creio que sim. Mas é necessário darmos o sentido correto à felicidade. Feliz – felix – é uma pessoa fecunda e a fecundidade é a abertura à vida do outro. A felicidade não é, portanto, uma meta mas o reconhecimento que nós, pela graça de Deus, vivemos uma vida fecunda (felix) construindo o Reino de Deus.

Próximos eventos

  1. Verão MJS 2020

    20 Julho - 24 Julho

Artigos Relacionados