fbpx

A Carta de Domingos Sávio

Salesianos > Documentos > A Carta de Domingos Sávio

No dia 9 de março de 2017 fez 160 anos que morreu este jovem adolescente, o melhor aluno de S. João Bosco. O Boletim Salesiano italiano publicou na edição de março uma carta escrita por Domingos Sávio conservada nos Arquivos da Congregação. Para ler, a tradução.

Um raro autógrafo de S. Domingos Sávio extraído das Memórias Biográficas de S. João Bosco: «Estamos em fins de agosto de 1855. Precisamente neste mês a cólera tinha reaparecido em Turim, mas, graças a Deus, de forma bastante benigna. Dom Bosco e os seus jovens estavam prontos para o ofício de enfermeiro e para a assistência espiritual, mas não foi necessário. Os afetados pela epidemia curavam, e poucos morreram dela. Acerca disso escreveu a seu pai o jovem Domingos Sávio que já tinha regressado ao Oratório. Esta carta é conservada religiosamente no arquivo».

«Meu querido pai,

Tenho uma novela muito curiosa para te escrever, mas antes de tudo dou-vos notícias minhas. Graças a Deus, até aqui tenho passado bem e continuo de perfeita saúde, tal como espero que aconteça convosco e com toda a família. Os meus estudos correm bem e Dom Bosco está cada vez mais contente com isso. A novela é que tendo podido estar uma hora, sozinho, com Dom Bosco, eu que no passado nunca pude estar dez minutos sozinho, falei-lhe de muitas coisas, entre as quais de uma associação para se proteger da cólera. Disse-me que a epidemia está no seu início e que se não fosse o frio que já se faz sentir, talvez fizesse grandes estragos. Inscreveu-me também numa companhia totalmente dedicada à oração. Também lhe falei da minha irmã como vocês me pediram e disse-me que a levem para casa na festa de Nossa Senhora do Rosário para avaliar da sua capacidade e das outras qualidades que tem. Portanto tratem disso. Só me resta enviar-lhes os meus cumprimentos, bem como a toda a família, ao meu mestre padre Cugliero, a Robino Andrea e também ao meu amigo Savio Domenico di Ranello.

Vosso muito afeiçoado e amado filho,

Domingos Sávio»

Tradução: Pe. Basílio Gonçalves

Artigos Relacionados